domingo, 13 de março de 2011

Saudades


O horizonte que me faz sentir saudade.
Primeiramente chega na forma de lembranças.Apenas estas não me satisfazem.Quero concretizar este momento.Então reviro álbuns de fotos impressas e fotos postadas na rede.A forma não importa, contudo que me remetam a imagens.
Posteriormente me tocam de uma maneira que não consigo descrever.Aí sim deixam de ser meramente abstratas e como uma pequenina lágrima se transformam concretamente.Sentir, somente, não é suficiente.A grandeza de um pequeno, singelo e porque não dizer saboroso choro, ora pois salgado...afinal grande parte de nossos dias sentimos o SAL que não apenas apetece o paladar, mas que também tem o poder de ser maléfico quando em demasia.
Chego a soluçar, arrepiar, enrubescer, tremer e contrair músculos voluntariamente.Não consigo mensurar uma frase e ao menos uma palavra.Momentaneamente prefiro ficar só, sozinha, triste, tristinha...A demonstração se faz necessária a partir de letras que avulsas constituem palavras simples, mas embutidas em frases se sobrepõem ao contexto e fazem sentir saudade.
O espaço já se esgota, apesar de as palavras clamarem e pulsarem firme dentro de mim, mas encerro está primeira postagem,  à espera que este momento seja marcado eternamente e que me faça sentir lembranças concretas e verdadeiramente abstratas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário